Ir para conteúdo

[Autoestima]
Queda de cabelo pós-Covid tem solução

Problema deriva de inflamação que interfere no ciclo capilar e tratamento com médico tricologista acelera a recuperação

18 nov 2021 – 10h25
Pacientes com sintomas leves de Covid-19 ou assintomáticos também apresenta problema (Foto: Divulgação)

V

ai levar anos até que a Medicina descubra todos os efeitos da Covid-19 no corpo humano, mas uma consequência já foi detectada logo início da pandemia, em 2020. Muitos pacientes tiveram queda de cabelo cerca de dois ou três meses a doença. “Não é um sintoma raro, pelo contrário. No ano passado falavam que entre 25% e 30% dos pacientes teriam queda de cabelo no pós-Covid. Hoje já se fala em 80%. A Covid-19 gera um processo inflamatório muito grande no organismo, mesmo nos casos assintomáticos. O risco de ter queda de cabelo devido à inflamação é grande”, explica Aliny Regina Gallico, dermatologista e tricologista da Clínica Eclat, em Campinas.

A Covid-19 provoca outras reações negativas e a queda de cabelo contribui para a perda de autoestima do paciente. A boa notícia é que a tricologia – especialização da medicina que cuida da saúde dos cabelos – é uma opção que permite não apenas o combate ao problema em si, mas também a outros efeitos secundários provocados pela doença.

A consulta com um tricologista, explica Aliny, é bem detalhada e vai muito além do tratamento no couro cabeludo. “Precisamos entender qual foi a gravidade da Covid-19, qual medicação o paciente utilizou, como está o sono, alimentação e, também, a saúde intestinal, que é muito importante para o cabelo. Esse levantamento completo permite que tracemos todos os pontos que estão ruins naquele momento. Sono ruim ou um quadro depressivo, por exemplo, podem criar uma resistência ao tratamento no cabelo”, afirma a tricologista.

A dermatologista e tricologista Aliny Regina Gallico (Foto: Divulgação)

Os pacientes que tiveram Covid já estão com o emocional abalado e notamos que, quando ocorre a queda de cabelo, a autoestima cai ainda mais. Os que iniciam o tratamento apresentam melhora na queda de cabelo e têm um ganho no bem-estar, no sono e na alimentação. Os benefícios são múltiplos porque a qualidade de vida melhora como um todo. O cabelo é um reflexo do que está acontecendo com a saúde”, detalha Aliny.

A dermatologista explica que a Covid-19 é uma inflamação e interfere no ciclo capilar, que é composto por quatro fases. A primeira, de crescimento, é a fase anágena. Dura seis anos e cerca de 80% dos fios estão nesta etapa. Depois vem a fase de repouso, que tem duração de duas a três semanas. A terceira, chamada de telógena, é de queda e leva três meses. No último período, o fio já saiu e o óstio folicular está sem folículo (fase quenógena).

Segundo Aliny, diante de inflamação ou doença, o organismo dá início a um recrutamento de células, que são direcionadas para a região do problema que precisa ser reparado. Isso provoca uma carência nos folículos. “O cabelo vai receber menos células, nutrição e vitaminas porque há demanda para outra região mais importante naquele momento. Isso faz com que uma porcentagem dos fios da fase anágena sofra uma antecipação para a fase telógena, que pode ser aguda, e durar semanas, ou crônica, com mais de seis semanas. Como a Covid-19 é uma inflamação intensa, a mudança no ciclo capilar é frequente”, destaca a médica.

A indicação da Aliny para quem sofre com o problema é a tricologia médica, ciência que estuda todos os minerais, vitaminas e carências do corpo humano que podem interferir no cabelo. A reposição desses nutrientes pode ser feita de forma endovenosa ou oral, mas também existe a possibilidade de aplicações diretamente no couro cabeludo. O objetivo é melhorar a saúde do folículo, a oxigenação e a entrega de vitaminas e nutrientes.

Embora o eflúvio telógeno (queda de cabelo) melhore depois que a inflamação da Covid-19 passa, a demora gera preocupação e abala o paciente. “A tricologia médica entra para amenizar esses danos provocados pela inflamação. É realizada a tricoscopia, um exame para avaliar como está o couro cabeludo e os fios, e muitas vezes já utilizamos procedimentos médicos para conter essa queda o mais rápido possível”, explica Aliny.

Tricoscopia é um exame realizado para avaliar como está o couro cabeludo e os fios do paciente (Foto: Divulgação)
Dúvidas comuns
  • A queda de cabelo atinge apenas o paciente que teve quadro grave de Covid-19 ou pode afetar também quem teve sintomas leves ou mesmo os assintomáticos?

– Em quadros graves há maior chance de queda mais intensa, mas pacientes com sintomas leves ou assintomáticos também apresentam o problema de forma significativa.

  • Depois de quanto tempo da infecção, em média, a queda de cabelo costuma se manifestar?

– O tempo é muito variável, pode acontecer dois ou quatro meses após a infecção. Em alguns casos, até mesmo durante a Covid-19 já ocorre queda de cabelo. Depende muito de como estava a saúde do paciente antes da doença e da gravidade de cada caso.

  • Jovens que contraíram Covid-19 também podem apresentar o problema ou ele afeta mais as pessoas idosas?

– Jovens também apresentam queda de cabelo e o atendimento dessa faixa etária é frequente.

  • Além da reposição de nutrientes no couro cabeludo, o tratamento com um tricologista cuida de outros aspectos da saúde do paciente?

– Sim. Para cuidar da saúde capilar, o tricologista analisa a saúde de outros órgãos, em especial o intestino, responsável pela produção de vários hormônios e pela absorção dos principais nutrientes que vão para o sangue. Os pacientes são orientados sobre a importância de reduzir o consumo de alimentos inflamatórios, como leite, glúten, óleo e açúcar. Quanto menor a inflamação no intestino, maior será a produção de hormônios bons e a absorção dos nutrientes. No pós-Covid, mesmo que não haja sinais como diarreia, o intestino sofre uma inflamação silenciosa. Quem tem um problema capilar nesse período deve ficar atento a vários pontos que precisam ser tratados.

Saiba mais

Aliny Regina Gállico é médica dermatologista, titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia, com pós-graduação em Dermatologia pela BWS Núcleo de Ensino Superior em Ciências Humanas e da Saúde – São Paulo e também pós-graduação em Medicina Estética BWS – São Paulo. Em 2018 habilitou-se em Tricologia e Transplante Capilar pela Diolaser Internacional SPA (Flórida/EUA); estudou Medicina Estética em Miami/EUA, 2019; fez curso de atualização em implante capilar FUE em 2020 e participou de vários workshops de procedimentos dermatológicos.

A Clínica Eclat, no Cambuí, oferece dezenas de tratamentos e procedimentos dermatológicos, capilares, estéticos, nutricionais e cardiológicos, entre outros serviços. Com um atendimento diferenciado, completo e exclusivo, a Eclat está sempre atualizada e dispõe de tecnologia de ponta. Mais informações eclatclinica.com.br, Instagram: @clinica.eclat / Facebook: Clinica Eclat ou pelos telefones (19) 99688-4818 e (19) 3295-1070.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.