Ir para conteúdo

[Abra o olho]
Semana mobiliza população para combate ao Aedes aegypti e escorpiões

Em Paulínia, atividades de localização e eliminação dos criadouros ocorrem no bairro Morro Alto; shopping também tem exposição educativa

9 nov 2021 – 5h30
Número de casos de dengue está em queda neste ano no estado de São Paulo (Foto: Divulgação)

Oestado de São Paulo realiza até esta sexta-feira (12) a Semana de Mobilização contra o Aedes aegypti e escorpiões, inseridos pela primeira vez na estratégia de eliminação de criadouros e prevenção à arboviroses e acidentes (confira balanços e dicas de combate abaixo).

Em Paulínia, um mutirão contra a dengue será feito no bairro Morro Alto nesta semana. Na sexta-feira (12), a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos realizará operação Cata Móveis no bairro. Além disso, uma exposição no Paulínia Shopping com o Estande da Dengue, das 9 às 16h, marca o período de mobilização da população contra o mosquito.

Segundo o governo do estado, a Semana visa engajar a sociedade civil, municípios e organizações públicas e privadas em atividades focadas na prevenção à dengue, chikungunya e zika vírus, com foco especial no controle da proliferação do mosquito transmissor dessas arboviroses. Além disso, a mobilização visa também reduzir as chances de que a população sofra ataques de escorpiões que, assim como o Aedes, podem se proliferar com maior facilidade no período de chuvas.

Cada município será responsável por desenvolver as estratégias apropriadas para sua localidade, como visitas de agentes às residências e medidas de conscientização da população para adotar cuidados simples e que podem ser feitos diariamente.

“Pedimos a colaboração de todos nesta Semana de Mobilização e que as atividades que realizarmos neste período se tornem parte da rotina da população. Combater o Aedes e também os escorpiões é uma tarefa coletiva”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Arboviroses

O número de casos de dengue está em queda, neste ano. Ainda assim, as ações de eliminação do Aedes são cruciais para reduzir ainda mais os indicadores. Em 2021, até outubro, o estado de São Paulo registrou 137,7 mil casos da doença e 54 óbitos. No mesmo período de 2020, foram 192,7 mil casos de dengue e 140 pessoas morreram pela doença.

Há estabilidade em relação à zika, com 11 casos neste ano e 12 no anterior, sem registro de mortes no período. Por outro lado, há aumento de chikungunya devido à sazonalidade, pois o vírus não circulou com intensidade nos últimos três anos. São 14,1 mil casos e 4 óbitos neste ano, até outubro. Já em 2020, foram 162 casos, sem mortes.

Estas três arboviroses podem ser prevenidas com a eliminação de criadouros do Aedes. Vasos, pratos de plantas, ralos, lajes, calhas e piscinas são recipientes que registraram aumento nos índices de incidência de larvas. Além deles, caixas d’água, embalagens vazias, entulhos de construção, sucatas, pneus e plantas, ocos de árvore, bambu, por exemplo também são locais possíveis para proliferação. A limpeza adequada e regular, assim como a eliminação destes recipientes em quintais e espaços abertos, são fundamentais para evitar que o mosquito deposite seus ovos.

Escorpiões

Neste ano, até setembro, foram registrados 34.224 acidentes envolvendo escorpiões e nove mortes no estado. No ano passado, foram 36.109 casos e sete óbitos, números que já sugerem a importância de combate ao animal.

As melhores maneiras para evitar ataques são manter jardins e quintais limpos; evitar o acúmulo de entulho, folhas secas e lixo doméstico; manter a grama aparada; sacudir roupas e sapatos antes de usá-los; e usar telas em ralos do chão, pias ou tanques.

Em casos de acidentes por qualquer animal peçonhento, como é o caso do escorpião, é preciso procurar o serviço de saúde mais próximo para receber o tratamento o mais rápido possível. Higienizar o local da picada com água e sabão e aplicar compressa morna auxiliam a reduzir a dor. Se possível, é recomendável capturar o animal e levar ao serviço de saúde, desde que isso feito com segurança e não demore, pois a prioridade é o atendimento médico urgente.

Não deve ser feito torniquete, garrote ou curativo que feche a ferida para evitar infecções; também não espremer ou sugar o local da picada; não aplicar qualquer tipo de substância (álcool, querosene, fumo, ervas, pó de café, terra). Gelo ou água fria acentuam a dor e, por isso, não é recomendado o uso.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.