Ir para conteúdo

[Paulínia]
Terra e Rápido Sumaré ficam com transporte público de passageiros

Prefeito homologou licitação e entregou a concessão do serviço pelos próximos 10 anos ao consórcio formado pelas duas empresas de ônibus

24 ago 2021 – 17h34
Terra seguirá, agora, com a Rápido Sumaré realizando o transporte público de passageiros em Paulínia (Foto: Divulgação)

 

Oprefeito de Paulínia, Du Cazellato (PL), homologou a licitação e vai entregar a concessão do serviço de transporte público de passageiros da cidade à Terra Auto Viação Transportes Ltda e à Rápido Sumaré Ltda, do Grupo Belarmino, pelo período de 10 anos, prorrogável por mais 10. Até a publicação deste texto, a Prefeitura não havia informado quando as duas empresas de ônibus assumem de vez o serviço na cidade. A passagem seguirá R$ 1 na catraca.

A Terra e a Rápido Sumaré se juntaram para formar o Consórcio Mobilidade Paulínia, declarado vencedor da concorrência pública milionária do transporte público coletivo urbano e rural de passageiros do município de Paulínia – estimada em dezembro do ano passado pela Prefeitura em R$ 268.968.642,48 (duzentos e sessenta e oito milhões, novecentos e sessenta e oito mil, seiscentos e quarenta e dois reais e quarenta e oito centavos).

O Consórcio Mobilidade Paulínia ofereceu à Prefeitura de Paulínia o segundo maior valor de outorga para prestar o serviço de transporte público de passageiros na cidade na sessão de abertura dos envelopes das três participantes, no dia 2 de julho passado: cerca de R$ 7 milhões. A S.T.P. Mobilidade Ltda apresentou a proposta de aproximadamente R$ 12 milhões e a terceira concorrente, a Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, pouco mais de R$ 1,3 milhão.

O Mobilidade Paulínia ficou com o serviço porque a S.T.P. foi retirada da concorrência pública pela Administração municipal após um processo administrativo acusar ela e a Smile Transportes e Turismo Ltda de formação de cartel, superfaturamento e falsificação contra a Prefeitura no transporte escolar, que teria causado prejuízos de R$ 19 milhões aos cofres públicos. As empresas tiveram contratos cancelados, certificação de inidoneidade emitida e estão proibidas de participar de licitação pública pelo prazo de dois anos.

O edital de homologação e adjudicação foi publicado segunda-feira (23) no Diário Oficial do Estado de São Paulo. A classificação do vencedor da concorrência foi publicada no último dia 30 de julho e o prazo para recurso terminou. Pela segunda vez, a Comissão Municipal de Licitações negou recurso a S.T.P. e esse edital também foi publicado na segunda-feira. Na primeira, a S.T.P. conseguiu na Justiça liminar para apresentar sua a proposta de R$ 12 milhões pela outorga do serviço, mas acabou mesmo fora do certame.

A Terra é a atual concessionária do serviço de transporte municipal coletivo urbano e rural de passageiros da cidade de Paulínia. A empresa está no município desde janeiro de 2020 por meio de sucessivos contratos emergenciais. A Rápido Sumaré também já possui contrato com a Prefeitura e atua no transporte escolar de estudantes e universitários.

Mesmo com a entrada do Consórcio Mobilidade Paulínia , o passageiro seguirá pagando R$ 1 na catraca e a Prefeitura deverá arcar os outros R$ 2,82 do preço total da tarifa R$ 3,82, como é hoje. Uma das novidades é a implantação da bilhetagem eletrônica no sistema de transporte público, o que pode acarretar demissão de trabalhadores e já rendeu até paralisação da categoria. Há cerca de 100 deles trabalhando na Terra, que assumiu o compromisso de remanejá-los para outras funções caso seguisse com a concessão.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.