Ir para conteúdo

[Quarentena]
Governo prorroga fase de transição até 15 de julho em todo o estado

Mesmas regras serão mantidas nos 645 municípios paulistas, incluindo horário e limite de capacidade, para funcionamento das atividades econômicas

23 jun 2021 – 15h47
Imagem de Doria é projetada em telão em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes (Foto: Divulgação)

Ogovernador João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta-feira (23) a prorrogação da fase de transição do Plano São Paulo, para todo o estado, até o dia 15 de julho. A medida é amparada por recomendação do Centro de Contingência, com base nos dados de evolução da pandemia do Coronavírus.

“Devido aos índices ainda elevados de casos, internações e óbitos da pandemia em São Paulo, o governo do estado vai seguir mais uma vez a recomendação do Centro de Contingência da Covid-19 e prorrogará a fase de transição do Plano SP até o dia 15 de julho”, declarou Doria. A fase de transição já está em vigor desde o dia 18 de abril.

A última atualização do Plano SP previa a manutenção da fase de transição até 30 de junho. Com a nova prorrogação, as normas passam a valer até a primeira quinzena de julho. As regras para funcionamento das atividades econômicas permanecem as mesmas: os estabelecimentos podem funcionar das 6h às 21 horas com no máximo de 40% de ocupação.

As normas valem para estabelecimentos comerciais em geral, incluindo galerias e shoppings que também estão autorizados a abrir as portas entre 6h e 21h. O mesmo expediente deve ser seguido por serviços como restaurantes e similares, salões de beleza, barbearias, academias, clubes e espaços culturais como cinemas, teatros e museus. Todos devem obedecer aos protocolos setoriais de segurança sanitária, previstos no Plano SP.

Permanecem liberadas as celebrações individuais e coletivas em igrejas, templos e espaços religiosos, desde que seguidos rigorosamente todos os protocolos de higiene e distanciamento social.

O toque de recolher continua nas 645 cidades do estado, das 21h às 5h, assim como a recomendação de teletrabalho para atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horários para entrada e saída de trabalhadores dos setores de comércio, serviços e indústrias.

Em princípio, a fase de transição iria funcionar apenas por duas semanas. Mas ela já foi prorrogada por seis vezes. Essa fase foi criada após a decretação de emergencial (a mais restritiva do Plano São Paulo) e serviria para facilitar um retorno seguro para a fase 2 laranja do Plano São Paulo. No entanto, como os casos e internações por Covid-19 permaneceram em patamares elevados, o governo decidiu manter essa fase de transição, que já dura mais de dois meses.

São Paulo tem, até este momento, 78,9% de taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI), com 10.597 pacientes internados em estado grave. Há ainda 11.748 pacientes internados em enfermarias. Segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, a apesar da taxa alta, o estado de São Paulo vem, ultimamente, internando menos pessoas por Covid-19. Na última semana epidemiológica, entre os dias 13 e 19 de junho, o estado apresentou queda de 11,5% no número de novas internações em relação à semana anterior.

“Em três meses, reduzimos a ocupação de leitos de enfermaria em mais de 5 mil leitos e, em UTI, em 1,5 mil leitos. Somente nos últimos dois meses, desde o início da fase de transição, tivemos redução de ocupação de leitos de UTI em mais de mil leitos”, disse a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen.

Doria informou que o desembarque de matéria-prima para a produção de mais 10 milhões de doses da vacina do Instituto Butantan contra a Covid-19 deve ocorrer no próximo sábado (26). A remessa de 6 mil litros de insumos já foi liberada pela biofarmacêutica Sinovac, parceira internacional no desenvolvimento e produção do imunizante que São Paulo fornece ao Brasil.

“A autorização já foi emitida pelo governo da China. O embarque já está preparado. Estamos aguardando apenas autorização para que o voo fretado que está em Bruxelas, na Bélgica, possa seguir até Pequim para embarque de 6 mil litros de IFA e chegada no Aeroporto (Internacional) de Viracopos (em Campinas),  no próximo sábado”, declarou o governador.

Com a liberação do voo de Bruxelas para Pequim, o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) poderá ser embarcado na China ainda nesta quinta-feira (24). A chegada anterior de matéria-prima ao Butantan havia acontecido no dia 25 de maio, com o desembarque de 3 mil litros de insumos no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Matéria-prima para a produção de mais 10 milhões de doses da Coronavac chega sábado no País (Foto: Divulgação)

Assim que chegam ao Brasil, os insumos são levados diretamente à sede do Butantan, na Capital paulista. A produção da vacina envolve processos de envase, rotulagem, embalagem e um rigoroso controle de qualidade antes do fornecimento das doses ao PNI (Programa Nacional de Imunizações) do Ministério da Saúde. O prazo de entrega das vacinas prontas gira em torno de 15 a 20 dias.

Até o momento, o Butantan já assegurou 52,21 milhões de vacinas contra a Covid-19 entregues ao PNI (Plano Nacional de Imunizações). Os dois acordos firmados com o Ministério da Saúde totalizam 100 milhões de doses, com previsão de conclusão para o dia 30 de setembro.

Nesta quarta, Doria anunciou que o estado de São Paulo superou a meta de vacinação contra Covid-19 em idosos, ultrapassando a cobertura vacinal de 90% dos públicos-alvo, indicada para a campanha em andamento. “Importante que as pessoas não escolham vacinas. Todas as vacinas aprovadas pela Anvisa são boas vacinas, qualquer uma delas” disse o governador.

Estado de São Paulo superou a meta de vacinação contra Covid-19 em grupos de idosos (Foto: Divulgação)

Houve cobertura de 100% dos públicos nas faixas de 90 anos ou mais, de 85 a 89 anos, e de 75 a 79 anos. Na sequência, aparece o público de 70 a 74 anos, com 97,39%. Por fim, mas ainda acima da meta, a faixa de 80 a 84 anos, com 94,49% de cobertura vacinal. Todos estes públicos integraram a campanha entre fevereiro e março e ultrapassam 3,1 milhões de pessoas.

“Atingimos a meta de 90%, que é a meta do PNI de cobertura vacinal completa, em toda a população com mais de 70 anos”, destacou a coordenadora geral do Plano Estadual de Imunização (PEI) de SP, Regiane de Paula.

A partir do final de março até o início de março, a campanha avançou para os demais idosos. Entre as pessoas com idade de 65 a 69 anos, a cobertura já é de 42,46% e crescerá até agosto, com a aplicação da segunda dose nas pessoas que receberam vacinas com intervalo de 12 semanas entre a primeira e a segunda dose. O mesmo se aplica à faixa etária de 60 a 64 anos, que atualmente tem 11,44% de cobertura vacinal. Somados, estes grupos totalizam mais de 4 milhões de pessoas.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia
Advertisement

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.