Ir para conteúdo

[Pandemia]
Paulínia confirma mais uma morte; UTI Covid-19 volta a ficar 100% ocupada

Anúncio

Este é o segundo dia seguido de lotação máxima na Unidade de Terapia Intensiva para pacientes do coronavírus no hospital municipal – a sexta vez no mês

22 fev 2021 – 14h49
Profissionais de saúde circulam por corredor de hospital público no estado de São Paulo (Foto: Agência Brasil)

APrefeitura voltou a confirmar nesta segunda-feira (22) mais uma morte em decorrência da Covid-19 em Paulínia – a 106ª na cidade desde o início da pandemia, segundo dados do governo municipal. Mas, para o Ministério da Saúde, responsável pelos números oficiais da doença no Brasil, o município já contabiliza 110 óbitos pelo novo coronavírus.

De acordo com o Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao Coronavírus de Paulínia, a 106ª morte na cidade pelo novo coronavírus se refere a um homem de 85 anos, com antecedentes de neoplasia de próstata e hipertensão arterial. Iniciou os sintomas respiratórios no dia 12 de fevereiro. Deu entrada no Hospital Municipal “Vereador Antônio Orlando Navarro” no último dia 16. Foi realizado diagnóstico laboratorial para a Covid-19 pelo exame de PCR, com resultado positivo. Morreu sábado, dia 20.

De acordo com o boletim epidemiológico diário da Prefeitura, até as 9h30 desta segunda-feira, o hospital municipal de Paulínia estava com 100% dos 14 leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid-19 ocupadas. Este é o segundo dia consecutivo, pois a lotação máxima já foi registrada no domingo passado (21). Só neste mês, é a sexta vez que isso ocorre.

Procurada desde o dia 2 de fevereiro, a Prefeitura esclareceu às 18h32 desta segunda-feira que não houve aumento no total de vagas da UTI Covid-19. “São 14 leitos Covid-19 e 6 para outras doenças”, confirmou. “Há também 26 leitos clínicos para Covid-19.” Ela não informou o que está fazendo para garantir atendimento aos moradores de Paulínia com quadro grave do novo coronavírus. Desde o início da pandemia, conforme os números do governo municipal, 6.940 se infectaram com a doença e 6.681 se recuperaram. O Ministério da Saúde já contabiliza 8.154 contaminados no município.

Na região, a Prefeitura de Campinas informou nesta segunda-feira que está negociando leitos em unidades de tratamento intensivo (UTI) da rede privada para atender a demanda de pacientes com Covid-19. Domingo, a exemplo do que ocorreu em Paulínia, todas as vagas de UTI disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS) estavam ocupadas na cidade.

Para esta segunda-feira, a Prefeitura de Campinas também contava com a abertura de novos leitos de UTI no Hospital de Clínicas (HC), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Nas últimas duas semanas, a ocupação dos leitos no sistema público de Campinas oscilou em níveis acima de 90%. O último boletim divulgado pela Prefeitura indicava que na rede privada de saúde estava em 77%.

Segundo o balanço do governo estadual, desde o começo da pandemia, Campinas já confirmou mais de 56 mil casos de Covid-19 e registrou e 1.811 mortes.

Na madrugada desta segunda-feira, um avião da companhia Emirates, com remessa de 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 decolou de Mumbai, na Índia, e deve chegar a São Paulo às 6h55 desta terça-feira (23).

A aeronave deixou a cidade indiana por volta das 10h30 da manhã (horário local), o que equivale a 2h da madrugada desta segunda no horário de Brasília. A carga fará escala em Dubai, nos Emirados Árabes, de onde decolará para São Paulo às 22h40 (horário local) – 15h40 desta segunda (horário de Brasília).

O voo chegará a São Paulo na terça-feira de manhã e as vacinas seguirão para o Rio de Janeiro, onde serão levadas para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

As doses foram produzidas pelo Instituto Serum, parceiro da AstraZeneca na Índia e maior produtor mundial de vacinas. Mesmo prontas, as vacinas precisarão passar primeiro por Bio-Manguinhos para que possam ser rotuladas antes de serem distribuídas ao Programa Nacional de Imunizações.

A importação de doses prontas é uma estratégia paralela à produção de vacinas acertada entre a AstraZeneca e a Fiocruz. Para acelerar a disponibilidade de vacinas à população, 2 milhões de doses já foram trazidas da Índia em janeiro e está previsto um total de 10 milhões de doses prontas a serem importadas. Além dos 2 milhões que chegam nesta terça-feira ao País, mais 8 milhões estão previstas para os próximos dois meses.

Enquanto negocia a chegada das doses prontas, a Fiocruz trabalha na produção local das vacinas Oxford/AstraZeneca. Segundo o acordo com a farmacêutica anglo-sueca, a Fiocruz vai produzir 100,4 milhões de doses de vacinas até julho, a partir de um ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado. A primeira remessa desse insumo já chegou ao Bio-Manguinhos e o primeiro milhão de doses produzido na Fiocruz tem entrega prevista para o período de 15 a 19 de março.

De acordo com a fundação, os dois primeiros lotes estarão liberados internamente nos próximos dias. Esses lotes são destinados a testes para o estabelecimento dos parâmetros de produção. “Com esses resultados, a instituição produzirá os três lotes de validação, cuja documentação será submetida à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Esses lotes somarão cerca de 1 milhão de doses e seus resultados serão enviados à Anvisa até meados de março”.

Também está em andamento na Fiocruz o processo de transferência de tecnologia para a produção do IFA no Brasil, o que tornará a fundação autossuficiente na produção das vacinas. A previsão é que as primeiras doses com IFA nacional sejam entregues ao Ministério da Saúde em agosto, e, até o fim de 2021, seja possível entregar 110 milhões de doses, elevando o total produzido no ano pela Fiocruz para 210,4 milhões.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia
Advertisement

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.