Ir para conteúdo

[Pandemia]
SP antecipa vacinação de idosos entre 85 e 89 anos para esta sexta-feira

Governo do estado também anuncia que vai começar a imunizar contra a Covid-19 o grupo com idade entre 80 e 84 anos a partir de 1º de março

10 fev 2021 – 15h07
Chegada de mais insumos para a produção da vacina do Instituto Butantan, em São Paulo (Foto: Divulgação)

Ogovernador João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta-feira (10) o início da imunização de idosos com idade entre 80 e 84 anos para o dia 1º de março em todo o estado de São Paulo. Ele também confirmou a vacinação antecipada do grupo de 85 a 89 anos para a próxima sexta (12), três dias antes do previsto.

“Com a chegada de mais insumos para a produção da vacina do Butantan, o estado de São Paulo começa no dia 1º de março a vacinar todos os idosos acima de 80 anos de idade”, disse Doria. “São boas notícias para aumentar nossa esperança, perspectiva de proteção à vida e também nos dar um alento em meio a tantas notícias tristes de perdas e de contaminações.”

A vacinação contra o coronavírus começou no dia 17 de janeiro, na Capital paulista, logo após a aprovação emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ao imunizante do Instituto Butantan. Até o início da tarde desta quarta, pouco mais de 1 milhão de pessoas já tinham sido vacinadas em todo o estado. Até terça-feira (9), Paulínia tinha aplicado 2.239 doses do imunizante.

O público-alvo de 80 a 84 anos totaliza 563 mil pessoas nos 645 municípios de São Paulo. Os idosos desta faixa etária poderão ser imunizados com parte das 8,7 milhões de novas doses da vacina do Butantan, que serão produzidas com insumos que chegaram ao Brasil na manhã desta quarta.

Já os 309 mil idosos de 85 a 89 anos poderão receber vacinas a partir desta sexta. A agilidade na logística da Secretaria de Estado da Saúde permitiu a antecipação da campanha. Em 24 horas de trabalho, a pasta conclui nesta quarta o envio de mais de 900 mil doses da vacina do Butantan a todas as regiões do estado.

A medida também permite que os municípios comecem a oferecer a segunda dose da imunização a grupos que já tomaram a vacina do Butantan desde janeiro – profissionais da saúde, indígenas e quilombolas, além de idosos acima de 60 anos e pessoas com deficiência a partir de 18 anos que vivem em instituições de longa permanência.

Assim que o Ministério da Saúde assegurar novos repasses de vacina a São Paulo, o governo do Estado irá divulgar as próximas etapas do cronograma e respectivos públicos-alvo da campanha de vacinação contra a Covid-19.

O governo de São Paulo incentiva o pré-cadastramento de idosos aptos à imunização no site vacinaja.sp.gov.br. O registro online garante mais facilidade e rapidez à campanha de imunização, pois economiza 90% no tempo de atendimento individual nos postos da vacinação.

O preenchimento dos dados no site Vacina Já leva de um a três minutos. Já no atendimento presencial, a coleta de informações leva cerca de 10 minutos. O pré-cadastro não é obrigatório e também não é um agendamento, mas contribui para evitar aglomerações nos postos. O registro dos dados no Vacina Já é gratuito, seguro e confidencial.

Doria, o secretário da Saúde Jean Gorinchteyn e o diretor do Instituto Butantan Dimas Covas acompanharam nesta quarta-feira a chegada do segundo lote do ano de matéria-prima para a produção nacional da vacina contra o coronavírus, desenvolvida em parceria internacional com a biofarmacêutica Sinovac.

A carga chegou ao Aeroporto Internacional de Guarulhos às 7h20, trazendo 5,6 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) que permite a produção de 8,7 milhões de doses na fábrica do Butantan. A carga foi transportado pela empresa aérea TAP e saiu da China na terça (9), com escalas na Finlândia e Portugal.

No último dia 4, o Butantan recebeu um carregamento com 5,4 mil litros de IFA para a produção de 8,6 milhões de doses que começam a ser entregues no final de fevereiro. Após a produção local, as vacinas passam por rigorosa inspeção de controle de qualidade antes da liberação para uso no Sistema Único de Saúde (SUS).

A Procuradoria Geral do Estado ingressou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que o Ministério da Saúde volte a custear 3.258 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que deixaram de ser pagos pelo Governo Federal em 2021.

“Hoje, o Estado de São Paulo paga integralmente estes 3.258 leitos. Não vamos deixar ninguém para trás, nenhuma pessoa deixará de ter atendimento aqui. Mas a obrigação do Ministério da Saúde terá que ser cumprida em São Paulo e nos demais estados”, disse Doria.

No último dia 5, o governador anunciou a intenção de levar o caso ao STF se o governo federal não voltasse a transferir recursos financeiros para garantir o funcionamento destes leitos. Em dezembro, o Ministério da Saúde custeava 3.822 leitos de UTI em São Paulo, mas passou a subsidiar o funcionamento de 564 leitos em 2021.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia
Advertisement

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.