Ir para conteúdo

[Quarentena]
Paulínia segue na fase amarela na reclassificação antecipada do Plano SP

Governo paulista atualizou nesta sexta-feira o mapa de cores das regiões do estado por causa da piora dos índices de progressão da pandemia

15 jan 2021 – 13h
Vista área da região central de Paulínia: estádio municipal e ginásio de esportes do Centro (Foto: RT Imagens)

Paulínia segue na fase amarela do Plano São Paulo na reclassificação antecipada que foi feita no início da tarde desta sexta-feira (15) pelo governo estadual. A atualização do mapa de cores das regiões do estado antes da data prevista (dia 5 de fevereiro) ocorreu por causa da piora dos índices de progressão da pandemia e de capacidade de atendimento hospitalar no território paulista.

O decreto estadual da atualização do mapa de cores das regiões paulistas deve ser publicado neste sábado (16) no Diário Oficial do Estado e começará a valer a partir de segunda-feira (18). A fase amarela é a terceira das cinco existentes no Plano São Paulo de abertura gradual e regionalizada da economia e de controle da pandemia da Covid-19.

A fase amarela permite 40% de ocupação presencial para todas as atividades liberadas (como comércio de rua, shoppings, bares, restaurantes, academias, salões de beleza, escritórios), incluindo parques estaduais, e expediente de até 10 horas diárias. O atendimento presencial tem de ser encerrado às 22h em todos os setores. Nos bares, as portas devem fechar ao público mais cedo, às 20h. Atividades não essenciais que geram aglomeração, como festas, baladas e shows continuam proibidos.

Em 15 dias de 2021, o governo do estado já fez duas reclassificações do Plano São Paulo – a primeira na semana passada, dia 8. Nesta segunda atualização do mapa de cores deste ano, sete regiões regrediram para a fase laranja: Araçatuba, Bauru, Franca, Piracicaba, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Taubaté. Marília foi para a etapa vermelha, a mais restritiva do programa. Sorocaba, Presidente Prudente e Registro continuam na fase laranja.

Segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a reclassificação foi uma medida preventiva necessária. “A situação vem se agravando a cada semana. Medidas são para evitar a superlotação de hospitais e unidades de terapia intensiva e falta de atendimento necessário para salvar vidas”, explicou.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, lembrou que o estado de São Paulo teve, esta semana, um aumento de 5% no número de casos em relação à semana anterior, com uma média diária superior a 10 mil novos casos por dia, batendo um novo recorde. Além disso, segundo o secretário, houve aumento de 2% no número de óbitos e de 10% no número de internações, indicador que mais preocupa o governo porque revela o estado atual da pandemia no estado. “As internações são dados atualizados da dinâmica e da circulação do vírus na nossa população”, disse.

No momento, 65% dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) estão ocupados em todo o estado. Considerando-se somente a Grande São Paulo, a ocupação está em torno de 69%. “Precisamos ainda restringir mais horários e serviços. Só assim diminuiremos o número de casos e de pessoas com agravamento de saúde e que vão necessitar de acolhimento em UTIs”, disse o secretário.

Na última atualização do Plano São Paulo, em 8 de janeiro, apenas quatro regiões do estado (Registro, Sorocaba, Presidente Prudente e Marília) estavam classificadas na fase laranja. O restante do estado se manteve na amarela. Nesse mesmo dia, o governo anunciou mudanças nos critérios do plano.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia. Paulínia integra a região de Campinas.

O Centro de Contingência também recomendou que todos os 645 municípios paulistas endureçam regras para reuniões de trabalho em locais fechados, como limite máximo de 25 pessoas e distanciamento mínimo de 1,5 metro. Eventos sociais e familiares também devem ser evitados devido ao recrudescimento da pandemia. O uso de máscaras em todos locais de acesso público é obrigatório. O resumo com as informações sobre a reclassificação do Plano São Paulo e os indicadores epidemiológicos e de capacidade hospitalar de cada região estão disponíveis no link http://bit.ly/3bQ4Ps6.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia
Advertisement

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.