Ir para conteúdo

[Foragida]
Baep prende em Paulínia mulher investigada pela Operação Macuco

Ação foi deflagrada pelo Ministério Público de Itapira com apoio da Polícia Militar no último dia 21 contra o crime organizado e o tráfico de drogas na região

18 set 2020 – 20h15
Investigações começaram em fevereiro, após roubo seguido de morte de guarda municipal em Itapira (Foto: Divulgação)

Policiais militares do 1º Batalhão de Ações Especiais de Polícia (Baep) prenderam nesta sexta-feira (18), em Paulínia, uma mulher que tinha mandado de prisão expedido pela Justiça. Ela é investigada pela Operação Macuco, que foi deflagrada no último dia 21 contra o crime organizado e o tráfico de drogas em cidades da região.

De acordo com informações da polícia, a mulher foi localizada por uma equipe do 1º Baep de Campinas e presa pela Rua José Motta, no bairro Vila Monte Alegre I. A captura da procurada pela Justiça deveria ser apresentada na Delegacia de Polícia de Paulínia.

A Operação Macuco foi desencadeada pela 2ª Promotoria de Justiça de Itapira, por meio do promotor de Justiça Rodrigo Lopes, em conjunto com a Polícia Militar. O objetivo era cumprir 21 mandados de prisão e 25 de busca e apreensão nas cidades de Itapira, Campinas, Paulínia, Monte Mor, Hortolândia, Santa Bárbara d’Oeste, Pinhalzinho e Bragança Paulista.

Na ocasião, a operação prendeu 20 pessoas (17 mandados de prisão e outras três prisões em flagrante) e apreendeu R$ 31 mil em dinheiro, além de documentos, drogas e armas.  Em Itapira, um casal resistiu à prisão, trocou tiros com policiais e morreu. “As diligências prosseguem para a captura de três indivíduos foragidos”, informou a época o Ministério Público. Os trabalhos foram realizados em parceria com o Comando de Policiamento do Interior 2, com apoio do 1º, 10º e 11º Baeps.

As investigações foram iniciadas em fevereiro deste ano, após o latrocínio (roubo seguido de morte) de um guarda municipal em Itapira, e revelaram que a maioria dos investigados ocupava funções de liderança regional na facção criminosa e em esquemas para tráfico de drogas na região.

A polícia informou que no decorrer do monitoramento e das investigações prendeu em flagrante outras 15 pessoas pelos crimes de tráfico de drogas, porte de arma e receptação, sendo apreendidos mais de 20 quilos de entorpecentes, cinco armas de fogo, dezenas de munições, dinheiro, veículos e materiais utilizados no tráfico de drogas. “Ademais, dois cadáveres de vítimas de ‘tribunais do crime’ foram localizados. Eles tinham sido enterrados em cemitérios clandestinos utilizados pela facção criminosa”, explicou o Ministério Público.

O Ministério Público tem 30 dias para encerrar as investigações, ouvindo os envolvidos e examinando os materiais apreendidos (documentos e equipamentos eletrônicos), para apresentar as denúncias perante a Justiça Pública. Os investigados podem responder por crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, associação para o tráfico, homicídio e ocultação de cadáver.

A operação recebeu o nome de Macuco, primeiro nome do povoado que posteriormente se tornaria a cidade de Itapira.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia 

Paulínia 24 Horas Notícia Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.