Ir para conteúdo

[Pandemia]
Paulínia afrouxa quarentena e abandona estado de calamidade pública

Prefeitura autoriza funcionamento de barbearias, cabeleireiros, pesqueiros, clínicas, podologia, massoterapia, loja de aviamentos e tecidos

25 mai 2020 – 22h42
Pesqueiros fechados por força-tarefa em abril agora podem voltar a funcionar (Foto: Divulgação)

Oprefeito Du Cazellato (PL) publicou nesta terça-feira (26) decreto municipal que afrouxa a quarentena em Paulínia e abandona o estado de calamidade pública por causa da pandemia do novo coronavírus. A medida autoriza a partir desta quarta-feira (27) a abertura de comércios e serviços, como barbearias, cabeleireiros, pesqueiros, lojas de aviamentos e tecidos, contrariando o decreto estadual que está em vigor até o próximo domingo, dia 31. As igrejas ficaram fora da flexibilização do isolamento social.

De acordo com a Prefeitura, a decisão de afrouxar a quarentena em Paulínia – às vésperas do governo estadual anunciar como se dará a partir do dia 1º de junho a abertura gradual de comércios e serviços no estado, por critérios regionais –, foi tomada pelo Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao Coronavírus, visando antecipar a reabertura gradativa do comércio local. “Outras atividades deverão ser liberadas em outras etapas”, avisou.

Pelo decreto municipal de Du Cazellato, poderão abrir as portas em Paulínia a partir desta quarta-feira, seguindo as medidas preventivas de higiene, as atividades nas áreas de:

– Saúde

  • Hospitais; clínicas médicas, odontológicas, de fisioterapia, de psicologia, de vacinação e veterinárias; farmácias; óticas; laboratórios de análises clínicas; lavanderias e serviços de limpeza e hotéis.

– Alimentação

  • Supermercados e congêneres (mercearias, açougues, peixarias, pesqueiros); estabelecimentos de alimentação de animais, bem como os serviços de entrega (delivery) e “drive thru” de bares, restaurantes, padarias e lojas de conveniência (o consumo no local continua proibido).

– Abastecimento

  • Transportadoras; serviços de entrega de mercadorias; postos de combustíveis e derivados; distribuidora de água e gás; oficinas de veículos automotores; lojas de material de construção; empresas de locação de veículos e concessionárias de venda e revenda de veículos automotores.

– Segurança

  • Serviços de segurança pública e privada.

– Serviços

  • Oficinas de conserto de eletrodomésticos e eletrônicos; oficinas de costura, loja de aviamentos e tecidos; escritórios de contabilidade, advocacia, administração e consultoria; serviços de barbearia, cabelereiros e similares; serviços de massoterapia e podologia; serviços de jardinagem; serviços de inspeção veicular; serviços de despachante; serviços de lava-jato e limpeza veicular; borracharia; serviços de guinchos; correspondentes bancários.

– Comunicação social

  • Meios de comunicação social, inclusive eletrônica, executada por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens, serviços de call center.

Conforme o Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao Coronavírus, todas as medidas, serão constantemente analisadas, com a possibilidade de regressão em caso de dados adversos. Paulínia tinha, até as 9h30 desta terça-feira, 91 casos confirmados da Covid-19, uma morte confirmada pela doença e outra em investigação. Há um mês, eram 15 moradores contaminados. Em 30 dias o aumento da disseminação da doença na cidade foi de seis vezes.

“Investimos em equipamentos, na ampliação de leitos no Hospital Municipal (Vereador Antônio Orlando Navarro), realizamos diversas ações de conscientização, higienizamos prédios públicos, ruas e avenidas e temos agora um quadro que permite a reabertura de alguns setores”, avaliou Du Cazellato. “A população precisa continuar a fazer sua parte, saindo para o essencial, usando máscaras e tomando as devidas preocupações.”

Apesar dos avanços citados pelo prefeito na área da Saúde, a Prefeitura de Paulínia não conseguiu viabilizar a implantação de hospital de campanha nem do posto avançado Covid-19 na região do bairro João Aranha/São José, como anunciou o secretário municipal de Saúde, Fábio Luiz Alves, em reunião com vereadores.

Calamidade

Pelo decreto, a Prefeitura de Paulínia também abandona o estado de calamidade pública e passa a ficar em estado de emergência, mantendo no ar o Portal da Transparência com dados relacionados as despesas para enfrentamento ao coronavírus e a comissão para análise dos contratos.

O Decreto Municipal 7814 de 26 de maio foi publicado na edição extra 1.497 do Semanário Municipal do Município, desta terça-feira. Conheça o decreto municipal.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.