Ir para conteúdo

[Educação]
Kits escolares começam a ser entregues na rede municipal de Paulínia

Estimativa de investimento total para distribuição em todo o País é de R$ 164 milhões, com recursos da União, dos estados e municípios

4 mar 2020 – 14h57
Itens de kit escolar que começou a ser distribuído nesta semana pela Prefeitura de Paulínia (Foto: Divulgação)

OMinistério da Educação (MEC) e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) autorizaram a distribuição de mais de 3 milhões de kits escolares em todo o Brasil até esta terça-feira (3). “Estive hoje (terça-feira) com a secretária municipal de Educação, Meire Muller, e vereadores recebendo os kits escolares”, anunciou o prefeito Du Cazellato (PSDB) nas redes sociais.

Du Cazellato informou que o material escolar já começou a ser entregue para cerca de 18 mil alunos de creches, escolas dos ensinos Infantil, Fundamental I e II, Médio, profissionalizante e Educação para Jovens e Adultos (EJA) da cidade. “Desde 2016, não era entregue pela rede municipal. Num trabalho conjunto entre as secretarias essa ação pode ser realizada.” O ano letivo teve início no último dia 5 de fevereiro em Paulínia.

A estimativa de investimento total na compra dos 3 milhões de kits escolares que deverão ser distribuídos em todo o País é de R$ 164 milhões, com recursos da União, dos estados e municípios. A Prefeitura de Paulínia informou que aplicou R$ 1.159.988,80 na compra de 19.360 kits escolares. “Isso é dinheiro do povo, do imposto que vocês pagam, voltando para vocês”, afirmou o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Os kits escolares contêm itens como caderno, lápis, borracha, cola, apontador, caneta, régua, giz de cera, calculadora e “tudo mais que for necessário para os estudantes realizarem as atividades em sala de aula”, destacou o Ministério da Educação. “Os materiais foram feitos para cada etapa e cada modalidade de ensino (Infantil, Médio, Eja)”, salientou a presidente do FNDE, Karine Santos.

De acordo com o MEC, a escolha dos itens do kit considerou a saúde dos alunos e o meio ambiente. Nenhum dos materiais, ressaltou o Ministério, têm produtos tóxicos na composição, a calculadora funciona com energia solar e a agenda foi confeccionada com madeira de reflorestamento.

Os materiais foram adquiridos pelas secretarias estaduais e municipais de Educação por meio de atas de compra do FNDE, autarquia vinculada ao Ministério da Educação. Cada kit atende um aluno durante um ano letivo. A aquisição compartilhada asseguraria qualidade e melhores condições de preços, por conta do grande volume.

Segundo a coordenadora-geral de Mercado, Qualidade e Compras do FNDE, Carla Rodegheri, o modelo gera economia e controle de qualidade na aquisição dos produtos. “Quando o FNDE concentra a compra, que é a compra nacional, a gente tem uma grande economia, em razão da compra por escala. Cabe ressaltar também que as parcerias que nós desenvolvemos no âmbito do FNDE nos auxiliam justamente nesse processo de promoção de qualidade”, pontuou.

Ao aderirem à compra, os entes federativos informam a quantidade necessária para o atendimento da demanda. São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os estados nos quais as prefeituras mais solicitaram materiais escolares. De acordo com o FNDE, 390 entes federativos foram beneficiados.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Paulínia 24 Horas Notícia Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.