Ir para conteúdo

[Suplementar]
Custódio Campos é o quinto candidato a prefeito a participar de série

Textos revelam o que pretendem os prefeituráveis no mandato-tampão à Prefeitura de Paulínia; eleição é neste domingo, dia 1º

27 ago 2019 – 20h07
A candidata a vice-prefeita Jucimara Sousa com o prefeiturável Custódio Campos, ambos do PT (Foto: Divulgação)

Oex-vereador Custódio Campos, que concorre ao mandato-tampão de prefeito de Paulínia pelo PT, na eleição suplementar deste domingo, dia 1º de setembro, é o quinto candidato a participar da série o que pretendem os prefeituráveis, produzida pelo Portal Paulínia 24 Horas Notícias. Ele contou como pretende administrar a cidade, junto com sua vice, a servidora pública Jucimara Sousa, até o dia 31 de janeiro deste ano.

As publicações dos textos, um por dia, tem se dado por ordem alfabética dos nomes como os candidatos são mais conhecidos na cidade. As mesmas 12 perguntas foram feitas aos nove candidatos a prefeito na eleição fora de época de Paulínia. A primeira a contar seus planos foi a candidata a prefeita Ângela Duarte, que tem como vice Paula Benites. As duas são do PRTB, no último dia 18.

O Capitão Cambuí, que compõe chapa com Júlio César Peluque, ambos do PSL, apresentou seu projeto para a cidade no dia 19. No dia seguinte foi a vez da reportagem com Du Cazellato (PSDB). O vice dele é o Sargento Camargo (PL). Tuta Bosco (PPS), com seu vice Gustavo Yatecola (Avante), revelou o que pretende fazer à frente da Prefeitura no último dia 21.

A reportagem com Custódio Campos está sendo publicada somente agora porque o candidato respondeu a reportagem nesta terça-feira (27). Os candidatos a prefeito de Paulínia Coronel Furtado (PSC), Loira (DC), Marcelo Barros (PSOL) e Nani Moura (MDB) não se pronunciaram até aqui. Assim que o fizerem terão seus espaços garantidos no Portal Paulínia 24 Horas Notícia.

A eleição fora de época em Paulínia vai ocorrer por causa da cassação do prefeito Dixon Carvalho (PP) e de seu vice Sandro Caprino (PRB) por abuso de poder econômico nas eleições municipais de 2016. Desde novembro do ano passado, a cidade é comandada por prefeitos interinos.

Paulínia 24 Horas Notícia – De que forma o candidato vai acabar com a falta de remédios na rede pública de saúde de Paulínia e quanto tempo precisará para isso?

Custódio Campos – No caso de processos licitatórios, como é a compra de medicamentos, com o apoio dos servidores, é possível regularizar os medicamentos nos postos em 60 dias. Hoje temos o absurdo de uma central de medicamentos sem controle adequado e sem distribuição imediata. Ouvi relatos até de medicamentos vencidos nas prateleiras. Não se admite uma administração moderna sem um controle virtual simples e amigável como os sistemas oferecidos pelo SUS. Administrações anteriores fizeram contratos caros com empresas e fantasiam com informatizações de ponta a ponta que oferecem uma dificuldade inicial muito grande. Em qualquer área defendo soluções simples e de fácil implantação adequadas a um mandato curto. Sei que estão informatizando a saúde. Paralelo ao fornecimento imediato dos medicamentos é nossa obrigação analisar o sistema em implantação e definir sua continuação se for um sistema adequado.

O candidato sabe quais equipamentos utilizados para a realização de exames estão quebrados na rede municipal de saúde? Qual o prazo que precisa para deixá-los tudo em ordem e começar a zerar a fila de espera dos exames?

Acompanho as reuniões do Conselho Municipal de Saúde, presencialmente ou pela transmissão que passou a ser realizada recentemente. Conheço também as denúncias que vem sendo feitas por munícipes, tanto de equipamentos quebrados, como outros jogados em depósitos. Minha vice, Jucimara, que trabalha há 23 anos na Saúde, conhece esse problema de perto. Já estamos conversando sobre as medidas mais imediatas. Há ainda o uso adequado do Cismetro, não para fornecer mão de obra, que não é a função do Consórcio, mas para providenciar, junto com outras prefeituras, unidades móveis capazes de realizar grandes mutirões para eliminar filas. O Cismetro foi criado com essa finalidade e vamos utilizar esse recurso. Além dos exames, pretendemos fazer mutirões preventivos de saúde para que a população saiba como cuidar de si mesma, evitando adoecer.

Em quanto tempo o candidato planeja colocar para funcionar a parte nova do Hospital Municipal de Paulínia “Vereador Antônio Orlando Navarro”?

Há uma realidade: o prefeito que construiu o Hospital tinha preferência por grandes obras e, sendo personalista, não escutava profissionais. Nosso Hospital é superdimensionado. Por isso a dificuldade de equipá-lo. Mas pretendemos estudar a melhor forma de utilizar essa estrutura para benefício da população. E sem terceirizações que costumam se caracterizar por superfaturamentos como aconteceu em Campinas, no Ouro Verde. Precisamos, na medida do possível, oferecer ao paulinense um atendimento de qualidade para a saúde, da prevenção ao atendimento hospitalar. Vou contar com a colaboração de médicos, enfermeiros e todo o corpo técnico do HMP para melhor utilizar essa estrutura em favor da saúde da população. No contexto da Saúde precisamos ressaltar também o nosso especial carinho pelo Centro de Geriatria. Pretendemos imediatamente retornar ao Centro os internos que foram desalojados e permanecem afastados de sua casa em virtude de uma pequena obra de manutenção na ala onde ocorreu o incêndio. É um absurdo que esse assunto não tenha sido resolvido. Isso é prioritário e pretendemos ouvir atentamente os servidores lotados no Centro de Geriatria, assim como o Conselho Municipal do Idoso, para que tenhamos um projeto de melhoria e ampliação desse atendimento.

Os uniformes e os materiais escolares serão entregues em 2020 no início do ano letivo?

Com toda certeza. E os alunos vão receber a mochila como parte integrante do uniforme. Essa foi uma iniciativa minha quando vereador e vou retomá-la. Uma boa gestão precisa antecipar o fornecimento de serviços, entre eles a compra e fornecimento do material escolar e uniformes. Isso faz parte da atenção aos alunos. Pretendemos manter a motivação dos professores, estimulados por cursos de aperfeiçoamento e bom ambiente de trabalho.

A terceirização da merenda escolar nas escolas e creches municipais continuará a ocorrer em Paulínia? O serviço será melhorado? De que forma?

Vamos primeiro exigir o completo cumprimento do contrato em vigor. Em princípio, uma refeição feita na escola, com cozinheiros e merendeiras, nos parece o fornecimento de uma alimentação mais saudável, feita e consumida na hora, mas precisamos verificar os termos de fornecimento da contratada e o quanto essa alimentação fornecida é adequada aos alunos. Conhecemos experiências variadas em governos petistas, inclusive alguns projetos onde o recurso da merenda foi repassado ao Conselho de Pais e Mestres e eles passaram a gerenciar a compra de alimentos e o fornecimento em cada escola. A descentralização é um dos projetos a serem estudados e, em virtude do curto mandato, ser encaminhado à nova administração em 2020.

Em sua gestão será mantida a contratação temporária de professores ou o candidato abrirá novo concurso público para a Educação?

Sempre defendemos o concurso. Alguma contratação emergencial pode ser necessária porque a desorganização na contratação de pessoal é evidente. Acredito que decorrente da troca constante de prefeitos e da falta de gestão na pasta. É preciso ter um processo rápido de preenchimento de vagas com os concursos, mas não podemos deixar nenhuma sala de aula sem professores. Adotaremos as medidas necessárias a isso e certamente realizaremos concurso para preenchimento dos cargos onde se fizer necessário.

O que será feito desde o primeiro dia de seu governo para destravar o trânsito na região central e em direção ao bairro João Aranha no horário de pico da volta para casa? Quanto tempo precisará para resolver o problema?

Há uma clara solução emergencial que é a mudança de sentido do tráfego no viaduto existente na SP 332 na altura do bairro Cascata. Ali é possível permitir a entrada de veículos para os bairros da região do João Aranha, criando uma alternativa que minimizará o problema. Fornecer serviços como agências bancárias, atendimento emergencial de saúde e todos os serviços públicos nessa região também vai diminuir o deslocamento da população residente do João Aranha. Essas são medidas simples, de sensibilização da concessionária, de pressão sobre o Governo do Estado e que podem ser obtidas com o apoio maciço de nossa bancada na Alesp. Nossos Deputados Estaduais e Federais já estão engajados na nossa campanha e nos acompanharão nessa luta. Isso sem descartar a necessidade de dar andamento ao projeto de uma nova ponte, medida necessária, mas que deve passar por tramitações. A segunda ponte sobre o Rio Atibaia é um desses casos. Se já existe um projeto, se esse projeto já tem o EIA-RIMA como foi anunciado, não há porque abandonar esse projeto para realizar outro. Mas esperamos que, desta vez, seja verdade.

Como o candidato ajustará os gastos da Prefeitura com pessoal, conforme os limites da Lei da Responsabilidade Fiscal (LRF)? O abono salarial será incorporado ao salário dos servidores e aposentados? Como?

Se você consultar a Lei de Responsabilidade Fiscal, o abono já impacta sobre a Folha de Pagamentos, portanto, não incorporaram porque não houve vontade. Defendo que o abono é direito e essa situação precisa ser normalizada. Se diminuirmos a estrutura administrativa formada de Secretários, subsecretários, superintendências e secretarias com mesma função, usadas somente para acomodar amigos, poderemos ter uma estrutura eficiente, mais enxuta e ocupada pelos servidores qualificados que existem no quadro permanente.

De que forma o candidato aumentará a capacidade de investimento da Prefeitura em serviços de interesse público?

Ouvimos muito que não há capacidade de investimento porque o orçamento está comprometido com o custeio em 75%. Mas é melhor refazermos esta conta. Num orçamento de 2020 que chega a quase R$ 2 bilhões, os 25% de investimento é muito recurso, desde que pensemos em obras que sirvam para beneficiar a população diretamente.

O candidato promoverá uma auditoria em contas e contratos da Prefeitura de Paulínia para responsabilizar eventuais mau uso ou desvio do dinheiro dos contribuintes? Em qual período?

Vou parafrasear Lula: o prefeito não é policial, não é delegado, não é dos órgãos de investigação como Ministério Público ou do Tribunal de Contas. É claro que vou fazer um pente fino nos contrato em execução para que os fornecedores cumpram as exigências estabelecidas na licitação. Mas para fazer a auditoria que alguns candidatos anunciam os 15 meses de mandato seriam insuficientes e paralisariam completamente os serviços públicos. Na verdade temos muitos processos sobre o uso indevido dos recursos públicos que serão julgados com a demora típica da justiça em virtude dos recursos e contra recursos. Alguns até se livraram de terem as candidaturas impugnadas porque os processos estão em andamento. Neste um ano e três meses de mandato o meu comprometimento é com a fiscalização dos contratos em andamento e a gestão correta dos serviços públicos para que a Prefeitura e o atendimento ao cidadão não sofram descontinuidade. Os processos de vingança e as plataformas anticorrupção que já vimos na campanha eleitoral passada acabam sendo meros slogans de campanha e quando essas pessoas se achegam ao poder o que fazem é exatamente ampliarem a corrupção, o beneficiamento de parentes e a destruição do serviços públicos com prejuízos enormes para a população que mais precisa.

Quanto tempo o candidato precisará para realizar uma nova licitação pública para concessão do serviço de transporte coletivo de passageiros em Paulínia, atendendo a determinação do Ministério Público de 2015?

Se for determinação da Justiça, deve ser cumprida, mas deve ser principalmente uma licitação correta, que garanta a transparência no processo e melhore muito o serviço prestado à população. As licitações, quando se parte do zero, são demoradas. Mas o que é absurdo nesse processo é que se pagou a uma empresa de Piracicaba 150 mil para simplesmente fazer o descritivo do contrato, sendo que a Prefeitura tem gente capacitada para fazer esse descritivo com base no contrato anterior.

Qual a maior inovação que o candidato trará durante sua gestão para Paulínia?

Em primeiro lugar a descentralização de serviços públicos para a região do João Aranha. Não é nenhum projeto mirabolante, mas inovador no sentido de que nenhum outro prefeito pensou nos benefícios que isso pode trazer aos moradores daquela região e ao trânsito em geral. Segundo a melhoria imediata das calçadas permitindo que deficientes possam se locomover sem tropeçar em desníveis, cair em buracos ou esbarrar em imperfeições. Para a geração de emprego e renda, um dos problemas mais graves da cidade, vamos ampliar o PAS e implantar o Renda Cidadã, um projeto que estimula o uso do comércio local e faz girar a economia do município. Por isso que dizemos que Paulínia merece mais. Merece uma administração transparente, equilibrada e capaz restituir a tranquilidade aos paulinenses.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Paulínia 24 Horas Notícia Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.