Ir para conteúdo

Morre a quinta vítima de atirador da Catedral Metropolitana

Morte de Heleno Severo Alves, de 84 anos, faz subir o total de mortos para seis no ataque dentro de um dos maiores símbolos de Campinas

12 dez 2018 – 16h03
Policiais militares, guardas municipais e populares em frente à Catedral (Foto: Divulgação) 

A quinta vítima do atirador da Catedral Metropolitana de Campinas morreu nesta quarta-feira (12) e o total de mortos subiu para seis no ataque que aconteceu no início da tarde de terça-feira (11) na região central de Campinas. Heleno Severo Alves tinha 84 anos e estava internado no Hospital Municipal Doutor Mário Gatti. Os outros três feridos já tiveram alta hospitalar.

    Alves tomou um tiro no tórax e outro no abdômen, foi socorrido, passou por cirurgia, mas não resistiu. Além dele, morreram os fiéis Sidnei Vitor Monteiro, 39; José Eudes Gonzaga Ferreira, 68; Cristofer Gonçalves dos Santos, 38; e Elpídio Alves Coutinho, 67. O atirador Euler Fernando Grandolpho, 49, foi ferido na perna pela polícia durante o ataque e se matou em seguida.

Heleno Severo Alves, 84 anos, estava internado no Mário Gatti (Foto: Reprodução)

    Os três feridos que foram medicados e estão em casa são Maria de Fátima Frazão Ferreira, 68, atingida em uma das pernas e levada ao Hospital de Clínicas da Unicamp; Jandira Prado Monteiro, 65, que ficou machucada no tórax e em uma das mãos, atendida no Mário Gatti; e um homem de 64 anos, que tomou dois tiros de raspão e foi medicado no Hospital Beneficência Portuguesa.

    Jandira é mãe de Sidnei Monteiro e participou do velório do filho no Cemitério Parque das Flores. A Prefeitura de Campinas decretou luto de três dias por causa das mortes dento de um dos maiores símbolos da cidade. A Catedral foi reaberta nesta quarta com a missa das 12h15 em homenagem às vítimas. A polícia fez buscas na casa do atirador e ainda investiga as motivações do ataque.

Missa na Catedral nesta quarta-feira (12), em homenagem às vítimas (Foto: Reprodução) 

     De acordo com a polícia, o atirador tinha um histórico de se sentir perseguido, chegou a registrar boletins de ocorrência, além de fazer um diário com relatos de perseguições desde 2008, e poderia ter depressão, já que havia passado por atendimento em centro de apoio psicossocial de Valinhos. Ele era analista de sistema, solteiro e morava com o pai em um condomínio de luxo.

Clique aqui para ver mais notícias de Paulínia

Paulínia 24 Horas Notícia Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.