Anúncios
Ir para conteúdo

Essa aí passou

Câmara de Paulínia aprova abertura de investigação contra vice-prefeito e rejeita Comissão Processante contra prefeito Dixon e 13 dos 15 vereadores

 

nnO vice-prefeito de Paulínia, Sandro Caprino (PRB), teve aprovado na sessão da noite desta terça-feira, dia 29, o pedido de abertura de investigação por supostas irregularidades que podem levar à cassação de seu mandato. Já o prefeito Dixon Carvalho (PP) e um grupo de 13 dos 15 vereadores se livraram de Comissões Processantes (CPs) e se mantêm nos respectivos cargos.

nnO saldo das votações foi favorável ao governo e a seus aliados graças a um parecer da Procuradoria da Câmara Municipal sobre o pedido de abertura de investigação contra Dixon e o grupo de 13 dos 15 vereadores (leia mais aqui). O requerimento pedia o afastamento imediato dos envolvidos e a convocação de seus suplentes já para a sessão que apreciaria essa matéria.

camara
POLÍTICA | Auditório da Câmara ficou lotado para acompanhar as votações / Foto: Divulgação

nnA Procuradoria da Câmara, porém, recomendou o julgamento em separado de cada vereador, e para ela, não havendo assim a necessidade do afastamento dos envolvidos nas denúncias nem da convocação de suplentes. Portanto, a votação foi feita uma a uma, sempre com a abstenção ou ausência do acusado, mas com a presença da maioria garantindo quórum e reprovação das investigações contra o grupo e o prefeito.

nnKiko Meschiatti (PRB) e Tiquila Paes (PPS) – os dois que não estavam envolvidos nas denúncias contra Dixon e o grupo de 13 vereadores – além de Marcelo D2 (Pros), se ausentaram das votações fatiadas. Isso e mais a ausência ou abstenção dos denunciados e a não votação do presidente da Câmara, Du Cazellato (PSDB), que só se pronunciaria em caso de empate, provocaram um placar de 10 votos favoráveis ao arquivamento de abertura da Comissão Processante (CP).

parecervaleeste
POLÍTICA | Conclusão do parecer da Procuradoria da Câmara de Paulínia / Foto: Reprodução

nnUm terceiro pedido de abertura de investigação, o segundo da noite contra o governo municipal, também foi apreciado e rejeitado pelos vereadores na sessão desta terça-feira (29). Esse requerimento deu entrada na segunda-feira, dia 28, e era assinado pelo autônomo Reinaldo Barbosa de Oliveira Filho.

nnOliveira Filho queria investigar Dixon e seu assessor especial Márcio Rosa Santos, “Márcio Leão”, por uso de suposto diploma universitário falso para preenchimento de cargo na Prefeitura. O caso é apurado pela Polícia Civil, conforme o denunciante. Essa rejeição foi por 8 votos a favor, dois contra (Fábio Valadão-PRTB e Flávio Xavier-PSDC) e quatro ausências (Kiko, Tiquila, Marcelo D2 e Zé Coco-PV). Du Cazellato não votou.

Vice

nnAs denúncias contra Caprino são assinadas por Márcio Leão, assessor especial de Dixon, e pelo PSDC, partido presidido pelo atual secretário de Transportes de Paulínia, Laércio Giampaoli. A representação pede a investigação da quebra de decoro e da ética parlamentar por parte de Caprino (leia mais aqui). O requerimento foi aprovado pelo placar de 10 votos, com ausências de Kiko, Tiguila e Marcelo D2. Du Cazellato não votou.

nnOs membros da CP contra Caprino foram eleitos ainda na sessão desta terça-feira (29). A escolha foi feita por meio de sorteio, com as ausências de Kiko, Tiguila, Marcelo D2 e Zé Coco (PV). Foram sorteados Danilo Barros (PR), que, depois, ficou com a Secretaria da Comissão Processante; Fábia Ramalho (PMN), com a Relatoria; e Marquinho Fiorella (PSB), com a Presidência. Agora, a Câmara tem cinco dias para oficializar Caprino e, a partir daí, começa a contar o prazo de 90 dias para conclusão dos trabalhos.

 

Última alteração em 29 de agosto de 2017 às 22h15

Anúncios

Paulínia 24 Horas Notícia Ver tudo

Site de notícias criado para divulgar fatos jornalísticos da cidade de Paulínia.

Um comentário em “Essa aí passou Deixe um comentário

  1. Pingback: Em onze meses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.